Blogs de Arte


Poesia


Notícias Culturais



oiça 13 minutos de...


Painel controlo

  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào



chat online








Sin hijo ni árbol ni libro

oiçam bem


Links


Outras músicas


Contactos


Anedotas

Calinadas dos famosos – Parte II

«Fumar mata e, quando se morre, perdemos uma parte muito importante da nossa vida».
(Brooke Shields)

«Fiz há pouco tempo uma viagem a América Latina e a única coisa que lamento é não me ter dedicado mais ao latim na escola para ter podido falar com aquelas pessoas».
(ex-vice-presidente norte-americano Dan Quayle)

«A perda de vidas humanas será insubstituível»
(ex-vice-presidente norte-americano Dan Quayle)

Outras Leituras


Veja e aprecie


videologia



Últimas Galeria


Sondagens

Neste momento não existe nenhuma sondagem activa...

A Voz do Minho

vm.jpg

direitos de autor



FORA-LHE DIAGNOTICADO CHUVA- 1
Escrito por: Flávio Silver

FORA-LHE DIAGNOTICADO CHUVA
chovia dentro do seu corpo como típico novembro
folhas tristes: caranguejos em sobressaltos

frutos envenenados luziam em fogo posto nos cabelos
amores caiam-lhe aos cachos
e os ratos vinham por aí
construir seus reinos
seus rios que vão dar às omoplatas

o bruxo mandou o doente se retirar
suas unhas luziam como pérolas extraídas do sono
qualquer coisa fenomenal
sangue que não nega o corpo: música lírica derretendo aço

e o doente entristeceu-se
suas memórias vasculhadas a martelo
olhar de mocho a controlar os movimentos
do braço que fura o fogo
do peito que recebe fracas notícias por uma rameira

olha o tempo com imperfeição
uma gangrena escorre limpa e serena
sete bichos acampados no crânio esperam
a intermitência
há tanto a traduzir e ninguém é capaz

chove por dentro dele
sua carne ensopada ofusca o vitral
e quem se rir terá a sua chuva pela certa

devemos concluir o vector da existência
correr o fecho das galáxias para não mais
completar o século com os vulcões vazios
depois subir
com a calma de uma velhice
num suicídio
que demora a procriar

o que é o cérebro se não escuro
tinta que sobra das plantas comilonas

funerais só depois das nove da noite
que é quando o brilho assa e o morto comporta-se como morto
a demência não entra na tributação
nos cálculos da primavera
outono sim
é mês de cozer o pão entre as palmas das mãos
uma casa possessiva com ataques de nervos

e por que cai água nos regos cerebrais
O louco nada pelo ar em movimento de gibóia
Lento
Comprometedor
Como quem afasta o lodaçal com as arestas dos braços
Afiadas
Bilhantes como tudo que ilumina a gota


Chamam-lhe palhaço
Sorriso de alicate
Infiltra-se a chuva por dentro de alguém
Amamenta a loucura com sémen da sua paz
E dobra-se
Desta vez não espera pelos deuses à saida da taberna

Fecha-se em guarda-chuva – na sua verdade
Reparando feridas com o maçarico dos sonhos –
Intermitência - mas hoje ele não vai ganhar.


oiça pela voz de Luis Gaspar:
http://www.estudioraposa.com/audio/lugar_95_flavio_lopes_silva.mp3

visite:
www.teoriadoscalhaus.blogspot.com


Partilhar:


Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

©2018. Todos os direitos reservados